wpe2E.jpg (39334 bytes)  AÇUDE ACARAPE DO MEIO

Barragem Eugênio Gudin

DESCRIÇÃO GERAL

        A barragem Eugênio Gudin, do Açude Acarape do Meio, está localizada no município de Redenção, estado do Ceará, a cerca de 75 km de Fortaleza.   Barra  o rio  Acarape,  sistema  Complementar,  cuja bacia hidrográfica  cobre  uma  área de 241,525 k m2. O reservatório tem uma capacidade de 34.100.000 m3.  Inicialmente de propriedade do Departamento Nacional de  Obras  Contras as Secas- DNOCS, passou depois à responsabilidade do município de Redenção, onde a obra se localiza. Presentemente  está  sob   a jurisdição do Estado do Ceará.

       Tem como finalidade principal o abastecimento d'água da cidade de  Fortaleza  e  de  outras que se localizam no percurso da adutora. Secundariamente destina-se à irrigação de lavouras a jusante da barragem, atende à piscicultura e às culturas  agrícolas nas áreas de montante.

wpe7D.jpg (37704 bytes)

Fig.2 - Bacia hidráulica

       O projeto original, de autoria do Engº. Bernardo  Piquet  Carneiro,  da  Comissão de  Açudes e  Irrigação,  foi  posteriormente modificado pelos engenheiros da então IFOCS. A Comissão de Açudes e Irrigação executou os primeiros trabalhos de construção da barragem, que prosseguiram sob a administração da empresa americana Dodsworth & Co.

        O arranjo das estruturas se compõe  de  uma  barragem  em arco  tipo  gravidade  barrando  o curso  principal  do  rio e um vertedouro situado em uma sela topográfica na margem esquerda.

       O arco da barragem Eugênio Gudin é uma estrutura em alvenaria de pedra, com perfil trapezoidal, sem sistema de drenagem.

wpe7E.jpg (7002 bytes)            wpe7F.jpg (6125 bytes)

Fig. 3a - Planta                                                                                                          Fig. 3b - Seção transversal

wpe80.jpg (16890 bytes)

Fig. 3c - Crista da barragem

wpe82.jpg (9631 bytes)

Fig. 3d - Seção longitudinal

wpe83.jpg (14158 bytes)

Fig. 4a - Galeria - seção transversal

wpe85.jpg (19446 bytes)

Fig. 4b - Galeria - seção longitudinal

wpe86.jpg (39924 bytes)

Fig. 5 - Curva cota x volume

       Situado na margem esquerda, com soleira em cota três metros abaixo do coroamento da barragem, o sangradouro é do tipo soleira espessa e deságua na bacia do rio Barra Nova, retomando ao curso do rio Acarape.

       A tomada d'água está localizada em uma torre de alvenaria de pedra atravessando o arco da barragem, através de galeria. As comportas, assim como todas as peças em contato com a água, são de bronze. A aparelhagem de manobra, em aço.

       A fundação e as ombreiras são formadas por rochas cristalinas pré-cambrianas gnáissicas e migmáticas.       As pedras  e agregados utilizados na construção da barragem foram extraídos de ocorrências próximas à obra.

       Não foram encontrados dados sobre  os estudos  hidrológicos,  utilizados para dimensionamento do açude. Aparentemente, a julgar por memórias encontradas,   o  dimensionamento  foi feito  tomando por base seções  topográficas transversais  aos  rios  e informações sobre a enchente máxima ocorrida.

CONSTRUÇÃO

       O início da construção se deu no ano de 1909, sofrendo paralisações e modificações no projeto original. A conclusão das obras verificou-se no ano de 1924.

       Em 1910, um ano após o início da construção , foi aprovada modificação na galeria da tomada d'água,  sendo  substituída a alvenaria de pedra do projeto inicial por concreto ciclópico. No início de 1912 houve modificação na torre da tomada d'água e um aumento nas dimensões da galeria.

       Por esse projeto a torre passou a ter uma seção retangular e uma comporta quadrada tipo Stoney.

       Os serviços de locação da barragem e as obras de fundação começaram no mesmo ano da criação da IOCS, mas ainda   sob administração da Comissão de Açudes e Irrigação. Dois anos depois, em novembro de 1911 , iniciaram-se os trabalhos de elevação da alvenaria.

       Para controle do rio durante a construção foi executado um dique auxiliar de concreto armado,    para   funcionar        como ensecadeira, elevando o nível d'água de forma a desviar o rio para um canal lateral de terra, situado em cota superior na ombreira, possibilitando trabalhar a seco nas fundações. Em 1912, face  às  intensas  precipitações  pluviométricas  na  região do rio Pacoti, principal tributário da sua bacia hidrográfica, as águas da barragem de desvio transbordaram  e  romperam  uma  das   ombreiras, danificando o canal de desvio e inundando as fundações. Foram feitas algumas modificações no cronograma de execução, que só teve sua conclusão 15 anos após iniciada. Na construção desta barragem prestou serviços como engenheiro o ex-Ministro Eugênio Gudin.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DNOCS. 2. D.R. Arquivo Técnico. Processos do Açude Público Acarape do Meio. S.n.t.

MACÊDO, Maria Vilalba Alves de. Características físicas e técnicas dos açudes públicos do Estado do Ceará

Fortaleza, DNOCS, 1977.132 p.

CARACTERISTICAS TÉCNICAS
CAPACIDADE 34.100.000m³ LARGURA DO COROAMENTO 3m
LOCALIZAÇÃO Redenção-CE VOLUME DO MACIÇO 87.050m
SISTEMA Complementar VERTEDOURO  
RIO Acarape LÂMINA 1,75m
BACIA HIDROGRÁFICA 241,525km² LARGURA 60m
BACIA HIDRÁULICA 220,89ha REVANCHE 3m
PRECIPITAÇÃO MÉDIA ANUAL 1.300mm VOLUME DO CORTE 86.722,50m³

BARRAGEM

 

TOMADA D´ÁGUA

 
ALTURA 33m GALERIA 2,5m x2,5m
COMPRIMENTO PELO COROAMENTO 267m EXTENSÃO DA TUBULAÇÃO 33m
    COTA 100,00